terça-feira, 23 de abril de 2024

A hora e a vez do abacate

 

Visando oferecer mais uma forma de agregação de renda ao agricultor familiar e movimentar a economia da região, a Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater) e a New Life firmaram parceria para implantação do primeiro polo de produção de abacate em Goiás, na cidade de Santa Rita do Araguaia.

 

Dividido em duas etapas e somando, ao todo, trezentos hectares, o plantio – que deverá ser o maior da fruta no Centro-Oeste – considerou uma seleção de variedades que se adaptaram às condições edafoclimáticas da região, considerando, ainda, a capacidade de expansão da fruticultura local. A primeira metade da produção será plantada na Fazenda New Life, que servirá como uma espécie de laboratório do projeto.

 

Apesar de grande consumidor, o estado de Goiás ainda não é protagonista quando se fala em produção de abacate. Segundo a Radiografia do Agro 2022, na Ceasa Goiás, em 2021 foram comercializadas mais de 15 mil toneladas da fruta, sendo que deste total, somente 3 mil toneladas foram produzidas no estado. Atualmente, o estado figura no 16° lugar no ranking brasileiro de produção de abacate, produzindo, em média, 6 toneladas por hectare.

 

“Se compararmos a produção do nosso estado com Minas Gerais, São Paulo e Paraná, por exemplo, ela é irrisória. Porém, apesar de produzir menos, aqui se comercializa mais abacate do que nesses lugares. Então, precisamos atender nossa própria demanda e fazer com que a fruta chegue mais fresca ao comércio local”, explica José Luiz Pereira, coordenador da Unidade Regional Sudoeste, que conduz o projeto.

 

Além de inovar, a iniciativa também visa estabelecer ações focadas na sustentabilidade e no aumento da rentabilidade de agricultores familiares. “Queremos fazer algo que tenha propósito. O projeto precisa fazer sentido no que diz respeito a gerar conhecimento e melhorar a qualidade de vida da comunidade local”, ressalta Juliano de Oliveira, proprietário e fundador da New Life.

 

Cronograma

Após a fase de seleção e plantio, serão realizados os primeiros testes do projeto. No total, será feito o plantio de 170 hectares da fruta na Fazenda New Life, sede do laboratório experimental do polo de produção de abacate, em Santa Rita do Araguaia. Até o momento, já foram plantados cerca de 60 hectares.

 

A Emater é a responsável pela elaboração do projeto e pela capacitação dos agricultores familiares, para garantir o melhor aproveitamento da produção. O objetivo é atender uma demanda do mercado goiano e nacional, além de tornar o município uma referência na comercialização de abacate. Somente após os resultados preliminares, previstos para 2024, os produtores serão integrados à iniciativa.

 

“Elaboramos o projeto pensando, principalmente, no agricultor familiar. Aplicaremos esta técnica junto aos produtores assim que o projeto-piloto for validado, ou seja, quando tivermos a certeza de que as variedades escolhidas trarão resultados benéficos a eles”, destaca José Luiz.

 

Vantagens da produção

Além de possuir múltiplos benefícios para a alimentação humana, o abacate possui uma grande versatilidade comercial, pois pode ser consumido tanto in natura, como em forma de polpa (suco), além de ser utilizado para extração de óleo e na fabricação de cosméticos.

 

“Nosso clima é favorável à produção. O que não se enquadrar no mercado in natura, pode ir para o processamento de polpa, para ser utilizado na culinária e na fabricação de cremes e xampus, por exemplo. O azeite de abacate é semelhante ao de oliva e, com a sua popularização, acreditamos que possa ser competitivo neste mercado”, ressalta o coordenador Regional da Emater.

 

Nesta primeira leva, foram plantados 250 abacateiros por hectare. A expectativa é que, na primeira safra, em 3 anos, consiga-se colher uma média de 20 kg de abacate por planta.

 

Com: Comunicação Setorial da Emater Goiás

Avatar

Este post foi escrito por: Britz Lopes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta