sábado, 18 de maio de 2024

A Macy’s não será mais a mesma

 

Conhecida pelas mega lojas em todo o território americano, a varejista Macy’s anunciou um projeto de ressignificação de sua marca e reformulação no seu modelo de negócio. Nos próximos três anos, a empresa vai fechar 150 lojas por baixo desempenho — o que dá 30% de todas as unidades nos EUA.

 

A pior parte da reformulação é que quase 2.500 demissões vão ser feitas, o que equivale a aproximadamente 3,5% da força de trabalho. O movimento acontece depois de a empresa ter rejeitado uma oferta de compra de quase US$ 6 bilhões. Os executivos da empresa descreveram planos de investir mais nas marcas de luxo, onde os consumidores ainda gastam muito.

 

As lojas de departamento já foram responsáveis por 14% das vendas do varejo americano na década de 1990. Hoje, são somente 2%. Por isso, estão focando em segmentos em ascensão. O grupo da Macy’s é dono das marcas Bloomingdale’s e Bluemercury, focadas em artigos luxuosos, de beleza e cuidados com a pele.

Juntas, elas já faturam mais do que as vendas da empresa-mãe. Inclusive, indo na contramão, as duas vão ganhar pelo menos 45 novas lojas.

 

A Macy’s vai mudar a identidade visual e repaginar todo o seu site. A ideia é enfrentar a concorrência dos preços baixos da Amazon e das comprinhas online. A estratégia foi concebida também para afastar investidores ativistas e aumentar o preço das ações e as vendas da empresa.

O preço das ações da Macy’s caiu 75% desde o pico de 73 dólares por ação, em 2015. Desde então, fechou quase 300 lojas – quase um terço das suas localizações – mas ainda opera cerca de 700 entre as suas marcas. A Macy’s é a maior loja do mundo. Foi fundada em Nova York em 1858, por Rowland Hussey Macy. A maior unidade fica exatamente na Big Apple, onde ocupa um quarteirão inteiro.

 

Avatar

Este post foi escrito por: Carmen Lucia

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta