domingo, 21 de abril de 2024

A menina Nina, o artista e o palhaço

 

 

Eles não querem disputar encantamento com as obras de Giotto, Titian, Veronese, Tintoretto, Botticelli, Caravaggio, entre outros que habitam a Galeria Uffizi, o mais importante museu de Florença e um dos mais famosos do mundo. A fila incessante em qualquer temporada reúne gente apaixonada pelos clássicos e outros menos entendidos – aquele tipo que passa pelos corredores fotografando as obras de arte e vai ver tudo quando chegar em casa.

 

Mas, grande maioria dos dois tipos de observadores de arte certamente já parou para ver de perto as paisagens e as caricaturas elaboradas pelos artistas residentes no imenso vão da Galeria, onde as filas de formam. Um deles, o mais longevo, há 40 anos lá estabelecido, é Claudio Pappacolu, 80 anos, que foi o encarregado de desenhar um palhaço para a minha amiga Britz Lopes – encomenda do marido dela, Marcio Fernandes, para presentear a neta, a pequena Nina Puccini Massula, que tem os sobrenomes de nonnas italianíssimas.

 

Foi uma função deliciosa, da encomenda até a entrega, cinco dias depois. Na ocasião, marcamos com Claudio às 6 horas da tarde, em seu ponto – pelo qual paga 500 euros ao ano para trabalhar. O combinado era Britz levar um vinho pra ele, outro para bebermos no pátio e comemorar o palhaço que saltava dos traços coloridos e vigorosos do artista. Assim foi feito. Duas garrafas de Chianti Rufina para celebrar.

 

 

E não é que Claudio, pela lisonja do pedido, havia feito dois palhacinhos? Um em papel claro, outro pardo. Britz levou os dois pelo preço de um, oferecimento de Claudio, que conhece como sua própria figura no espelho a história da galeria – também da cidade de Florença e seus personagens –, incluindo a arquitetura e as estátuas que o observam dia e noite ali no vão. E foi ali, sob os olhares de um esculpido Amerigo Vespucci que ele colocou sua assinatura nos dois palhaços.

 

Um sábio artista, esse Claudio! Fez temporada sabática, correu o mundo e parou ali. Parou não! Evoluiu relacionamentos. É encantador de turistas e se encanta com eles. Faz até 30 caricaturas por semana a preços que começam com 40 euros. Em coisa de cinco minutos e a obra está pronta!

 

E Nina já tem seu palhaço em casa. E Claudio, o autodidata, já tem Nina em sua galeria de clientes. “Bellissima bambina”, disse ele no WhatsApp quando recebeu a foto da entrega da encomenda.

 

 

Avatar

Este post foi escrito por: Anna Paula Guerra

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

5 comentários em "A menina Nina, o artista e o palhaço"

Deixe uma resposta