quinta-feira, 18 de julho de 2024

A ressaca do day after

 

Amigos, leitores e afins, acordei hoje com aquele gosto amargo de antigamente, aquele gosto de ressaca, de muitos maços de cigarros consumidos, acompanhados de diversas doses de whisky em busca do por quê? Porque o Pinóquio da Silva quase leva no primeiro turno, embora as pesquisas tenham errado feio nos resultados para os governos e, por que, esses resultados não se concretizaram para a disputa presidencial?

 

Honestamente não sei, e antes de acusar de fraude, prefiro aguardar o pronunciamento do Ministro da Defesa responsável pelo acompanhamento da lisura ou não das urnas. Relatório este que, para mim, parece indispensável após as marchas e contra marchas. Mas já que a minha possibilidade de levantar suspeitas sem nenhuma base é nula, sugiro aguardar o tal relatório.

Quero levar a discussão para outro lado, o lado dos números que segundo o TSE, ficou assim: Lula (Deus me perdoe escrever esse nome) 48.4% = 57.258.115. O Presidente Bolsonaro com 43,2% = 51.071.277, portanto algo como 5% de diferença. Simone Tebet 4,2 = 4.915.306 e que eu não tenho duvidas, vai propor levá-los (os seus eleitores) para o Pinóquio da Silva (não consigo escrever aquele nome de novo). Todavia, historicamente, ninguém consegue transferir para seus apadrinhados mais do que 30% dos seus votos.

A grosso modo ela deverá transferir para o Pinóquio, algo como um milhão e quatrocentos mil votos, vamos arredondar para um milhão e meio. Ciro Gomes fez 3% = 3.599,201 votos. Depois de tudo que o Ciro falou durante a campanha, e nos debates, sobe o Pinóquio, vocês acham que qualquer percentual dos eleitores do Ciro vai votar no Pinóquio? Acho até que o Ciro poderá ficar ausente, mas propor votos para o “porqueira”, acho pouco provável. Seria mais ou menos a atitude do Geraldo Alkmin que resultou na morte do PSDB em São Paulo, seu maior reduto.

Saindo um pouco dos números dos candidatos, é possível ver um avanço do conservadorismo no eleitorado brasileiro, mesmo na Bahia, onde Bolsonaro foi fragorosamente derrotado, os valores familiares ainda são: Deus, Família e Liberdade. E, o representante do conservadorismo ACM Neto, fez 41% contra toda a máquina governamental do governo do pt = 49%.

Por outro lado, o bolsonarismo elegeu 7 governadores, o Pinóquio 4. Como nas campanhas é natural que cada um cuide do seu cercado, no segundo turno deveremos ter 7 governadores trabalhando seus Estados para eleger Bolsonaro, até porque para esses governadores, o contrário seria um risco incalculável. Também acho que o número de indecisos vai diminuir bastante.

Outro detalhe é que de um jeito ou de outro, Bolsonaro tem 14 novos senadores eleitos além de uma excelente bancada de deputados federais. Em suma, o quadro é muito melhor do que pintavam as pesquisas. Mas qual o nosso papel agora?

Em minha opinião, precisamos deixar de ter o comportamento de valentões de redes sociais, convencendo os indecisos, os nossos parentes burros, os nossos vizinhos irresponsáveis, os nossos filhos rebeldes, os nossos funcionários independentes e todos os eleitores que ficaram sentados na plateia “tacando o dedo nas redes” sem ter um envolvimento que, agora, passou a ser necessário e firme. Ou teremos aquilo que todos estão cansados de ver, mas que por esquecimento, comodismo ou irresponsabilidade, estão negligenciando.

Se você por méritos próprios ou por herança familiar pode ir embora do Brasil, pense nos que não têm essa oportunidade e precisam continuar morando no Brasil, e que seguirão tendo crianças que estão na escola mas, que sabem interpretar um texto, que sabem fazer sexo, mas que não sabem fazer conta dos meses de gravidez. É esse o futuro que você quer para seus filhos e netos??

 

Hiram Souza é empresário, marqueteiro de longa data, aos 80 anos de jornada o que permite ter uma janela holística para o mundo. Com leve humor escreve sobre assuntos ligados à política, comportamento, educação e brasilidade.

 

Este post foi escrito por: Hiram Souza

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta