quinta-feira, 18 de julho de 2024

Bate-volta a dois Patrimônios da Humanidade

Foi acertada a decisão de ficar três noites em Bari, Itália, pois são necessários dois dias para cobrir a região e fazer as visitas indispensáveis a Matera e Alberobello, ambas consagradas Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

 

Matera é surpreendente pela arquiteta medieval compactada em algumas colinas de calcário. A cidade guarda vestígio de ocupação humana desde o Paleolítico e conserva inúmeras cavernas que foram habitadas até os anos 1950.

 

Justamente em decorrência do relevo irregular é possível se obter visão panorâmica de vários pontos da cidade a curta distância a pé. Matera é monumental e se destaca pelos edifícios encrustados no ambiente rochoso. A cidade foi cenário de cineastas qualificados no século passado como Pier Paolo Pasolini e ficou conhecida mundialmente depois que Mel Gibson rodou por lá A Paixão de Cristo.

 

 

Matera se situa a uma hora e meia de trem desde Bari e merece um dia de dedicação, incluído o tempo de bate-volta em transporte público. O fato de Matera ter sido a primeira cidade italiana consagrada pela UNESCO não desmerece igual honraria concedida à vizinha Alberobello, Puglia.

 

 

A arquitetura das casas construídas em pedra calcária com teto em formato cônicos tem padrão singular e encantador, especialmente em dia de sol. Chamados de Trulli, eles dominam a paisagem urbana e constituem uma técnica de construção pré-histórica, embora Alberobello tenha sido edificada no começo do século 14.

 

 

A cidade é alguma coisa fascinante e só pode ser explorada em boas caminhadas becos adentro. O transporte público para lá não tão eficiente como a rota Bari-Matera. O turista deve estar atento ao tempo de viagem para não consagrar roubadas expressivas, como ficar três horas retido em um trem preguiçoso para fazer percurso de 57 quilômetros.

 

 

Marcio Fernandes é jornalista
Fotos: Marcio Fernandes

Avatar

Este post foi escrito por: Marcio Fernandes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta