quinta-feira, 18 de julho de 2024

Budapeste, dádiva do Danúbio

 

Budapeste: ponto de partida para se explorar outras exóticas capitais

Qualquer viagem à Europa Central fica incompleta se não incluir Budapeste. A capital da Hungria pode ser eleita ponto de partida para se explorar Bratislava, Viena, Praga, e Munique. Há ligação direta de trem para todos estes destinos. Dádiva mais formosa do Rio Danúbio, ela se divide em duas cidades. Em 1873 se juntaram para identificar um dos patrimônios arquitetônicos mais significativos do velho mundo.

Estadia de três diárias está de bom tamanho para suprimento dos desejos de cultura e prazer. O mais estratégico é se hospedar em Peste, onde se encontram os centros de entretenimento, compras e a maior parte das atrações turísticas. Buda merece extenso dia para visita ao Distrito do Castelo, com tempo para dar conferida no acervo do Museu Nacional e limpar as impurezas do Brasil em banho turco.

 

O Danúbio emoldura a vista do alto de Budapeste

Depois de exaustiva programação, o alto da colina reserva visão das margens do Danúbio, consagradas Patrimônio da Humanidade, com o pôr do sol a emoldurar majestosa arquitetura neogótica do Parlamento, enquanto você degusta a mais importante limonada de todo leste europeu.

Ao contrário de Buda, a cidade de Peste pode ser rompida a pé em longas distâncias, seja para se esbaldar no burburinho dos bares e restaurantes da VáciUtca (rua de pedestres) seja para fazer maiores investimentos pela AndrássyUtca, boulevard das grifes fundamentais. Lá estão o Teatro da Ópera e a Casa do Terror, museu que registra as grandes maldades praticadas por Hitler e Stalin.

Uma das pontes que separam as duas cidades 

Budapeste é mais bem degustada se no seu cardápio for incluído foiegras. O ingrediente habita a alma da gastronomia húngara e fica mais interessante no Restaurante Gundel. Para queimar a caloria do maravilhoso fígado de ganso, não deixe de visitar a Grande Sinagoga, fazer aquisição expressiva de temperos no Mercado Central e ingressar na noite em tarefa de muito vinho a observar as luzes da cidade ao longo do Danúbio. O povo é belíssimo e cordial, mas afeto à aplicação dos pequenos golpes. Todo cuidado é pouco na administração do câmbio.

 

Por Marcio Fernandes, jornalista (texto e fotos)

Avatar

Este post foi escrito por: Marcio Fernandes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta