sábado, 18 de maio de 2024

CAÇAROLICES – Goianidade gourmetizada

Guariroba baby assado com molho de limão e cebola roxa / Fotos: Rimene Amaral

 

Há iguarias cujos narizes são torcidos só de serem mencionadas. Na minha família, pelo lado paterno, sei de muita gente que não pode nem ouvir falar em coentro. “É salsa com maria-fedida (um pequeno percevejo típico da região)”, diz uma tia que deixa de comer qualquer prato de domingo se houver coentro na cozinha. Já o lado materno da família é baiano e coentro é uma espécie de coringa na cozinha. Por isso mesmo, o paladar e o olfato são sentidos muito peculiares e particulares. Não julguemos.

 

Eu, por exemplo, posso me enveredar por qualquer cardápio que não contenha jaca. E não vou além! Só não como jaca e pronto. De jeito nenhum. Nenhuma receita. Aquela receita de massa de coxinha, inventada por uma nutricionista, feita com jaca também não me pega. Conheci gente que não suporta o cheiro da azeitona. Meu afilhado não vai com a cara no mamão. Nem a cara, nem o cheiro e nem o gosto. Pequi é outro sabor que é amado e odiado na mesma intensidade. Eu gosto muito!

 

Daí um dia, eu me deparo com uma pessoa vendendo guariroba baby! Só o palmito, de uns 30 centímetros, tenro e, é claro, com o sabor bem concentrado e um teor de amargor que não é pra qualquer um. Como eu disse, gosto de tudo que não seja jaca. E guariroba não é. Mas é possível prepará-la para diminuir o amargor e acrescentar sabor. Tudo pode ser sob o efeito do raio gourmetizador.

 

 

Tem um palmito por aí que faz o maior sucesso, assado com manteiga. Eu pensei nele como base, mas fui adiante e preparei um molhinho cítrico para dar mais sabor. E eis que surge um palmito de guariroba assado com molho cítrico de limão siciliano, mostarda de Dijon e mel. De quebra, uma porção de cebola roxa para finalizar. Eu usei a cebola crua, mas também garanto que a cebola caramelizada te ajuda a flutuar.

 

E foi assim…

Limpei todo o palmito e o deixei de molho em água com limão, vinagre e sal por cerca de meia hora. Depois enxuguei-o, fiz um rasgo de fora a fora com a ponta da faca. Uma pitada de sal, pimenta-do-reino moída na hora e azeite. Daí vai para a Air Fryer por 30 a 40 minutos.

 

Enquanto isso, preparei o molho com: 3 colheres de azeite, 1 colher de mostarda de Dijon, 1 colher de mel, raspas de meio limão siciliano e suco de todo o limão. Bata tudo até emulsificar.

 

 

Monte o prato

Primeiro, o palmito de guariroba assado. Regue com o molho e finalize com cebola roxa crua ou caramelizada e raspas de limão. Na taça sugiro um Torrontés ou um Sauvignon Blanc geladinho. Um verde português também encaixa bem.

 

 

Frase

O primeiro quesito para escrever bem sobre comida é ter um bom apetiteAbbott Joseph Liebling, jornalista estadunidense.

 

 

Aneto, dill ou endro: aromatizador versátil

 

Vocabulário de forno e fogão

Aneto, Dill ou Endro: erva originária da Índia é utilizada como aromatizador de licores, xaropes e vinagres. Como condimento em picles, molhos para pratos de peixe ou camarão, sopas e cremes, vinagre aromatizado, salada de batatas, molhos a base de maionese e iogurte, pães de ervas. É um tempero de cor verde brilhante, com aroma refrescante e sabor delicado. Pode ser encontrado fresco ou seco.

 

 

Peixe no papelote: legumes e ervas dão o tom / Fotos: Rimene Amaral

 

Da água ao forno

Há inúmeras receitas de peixe, até para quem não come peixe. Mas para quem é devoto do pescado, trago uma forma rápida, fácil e surpreendentemente gostosa. Peixe no papelote é melhor ainda porque não suja quase nada. Tudo é feito no papel que vai ao forno. Uma refeição completa.

 

Primeiro escolha o peixe. Pode ser tilápia, robalo, merluza, cação ou salmão – mas que seja peixe de escama – e o tempere com sal e pimenta do reino. Use um pedaço de papel alumínio e, por cima, um pedaço do mesmo tamanho de papel manteiga (para evitar que os alimentos fiquem em contato com o alumínio). Pense num tamanho que lhe permitirá fazer um envelope.

 

 

Montagem

Regue o papel-manteiga com azeite e coloque em camadas: rodelas de batata, rodelas de cebola, a posta de peixe, tomatinhos sweet grape, dentes de alho e cebolas pequenas cortadas em pétalas. Um raminho de alecrim, pitada de sal, pimenta do reino e azeite por cima de tudo. Feche o envelope de papel manteiga e envolva-o em papel alumínio. Leve ao forno a 180° por 40 minutos, ou na air fryer, a 180° por 30 minutos.

 

Marinada

Salvação – Se a farinha do molho branco empelotar, espere esfriar e bata no liquidificador. Volte à panela e cozinhe até aquecer.

Coradinha – Ao preparar carne de porco, adicione uma colher (sopa) de açúcar ao óleo da fritura para que ela fique douradinha.

Suculentos – Quando fritar bifes de carne ou frango, não os espete com o garfo para que não fiquem ressecados.

Sabores – Adicione sal e tempero em pó à água de cozimento dos legumes para deixá-los mais saborosos.

Dica de ouro – Coloque um pires virado de boca para baixo dentro da leiteira para o leite não derramar ao ser fervido.

 

Até a próxima e bom apetite!

 

Avatar

Este post foi escrito por: Rimene Amaral

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

1 comentários em "CAÇAROLICES – Goianidade gourmetizada"

Deixe uma resposta