sábado, 18 de maio de 2024

Catedral de Sant`Ana será revitalizada

 

O Governo de Goiás, inicia, na próxima segunda-feira 10 de abril, a revitalização da Catedral de Sant’Ana, na cidade de Goiás. O investimento é de R$ 3,2 mil, oriundos do Tesouro Estadual, com previsão de 15 meses de obras.

 

Na semana que vem, equipes vão começar a retirar mobiliário, quadros e demais artigos da igreja para a colocação de tapumes. Os trabalhos incluem o altar-mor; partes do piso de ardósia e colocação de novo piso em toda a nave; substituição do forro atual por um forro acústico em placas de fibra mineral; e restauração de todo o telhado existente com reaproveitamento das telhas cerâmicas coloniais.

 

 

A iniciativa contempla ainda a instalação de novas calhas; recuperação das lajes; tratamentos de paredes e colunas com trincas; novas instalações elétricas; além de restauração e higienização dos sinos das torres. As obras da edificação fazem parte do projeto “Fé, Religiosidade e Devoção”, ação inédita do Governo de Goiás que destina R$ 18,5 milhões em revitalizações em 10 edifícios históricos em Goiás.

 

 

Ícone religioso — A Catedral de Sant´Ana começou a ser construída de forma rudimentar em 1743. A última grande restauração foi realizada pela Diocese de Goiás em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 1998. A Catedral conta com um conjunto de cinco murais produzidos pelo artista plástico e sacerdote espanhol Cerezo Barreto. O edifício possui elementos típicos do estilo neoclássico.

 

 

A planta apresenta nave, presbitério, capela-mor, sacristia e duas capelas laterais. A nave é separada das capelas laterais por uma sequência de pilares. A fachada principal é dotada de dois frontões; quatro pilastras semi embutidas; uma porta almofadada de madeira e quatro janelas metálicas, tipo basculante.

 

 

Foto: Secult Goiás

 

Com: Secretaria de Estado da Cultura – Governo de Goiás

 

Avatar

Este post foi escrito por: Britz Lopes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta