sábado, 18 de maio de 2024

Circo na praça com danças e risadas

 

Depois do casamento, o casal de palhaços vai curtir a lua de mel e se depara com inúmeras aventuras. Descobre, então, que o amor, somado à palhaçada, é antídoto para dificuldades e desafios diários. É o espetáculo de rua Luna de Miel, sobre amor, arte e vida, fruto de primorosa pesquisa sobre o universo conhecido como clown&dança. A direção é do chileno Oscar Zimmermann. A peça será apresentada pela primeira vez em Goiânia, às 19 horas dos dias 2 e 3 de abril, na Praça do Sol, com acesso gratuito, pela Lamira, uma companhia de Palmas, Tocantins. Em cena, o casal de atores Carolina Galante e João Vicente.

A pesquisa é inédita, autoral e foi feita durante a pandemia. A proposta do grupo e do diretor foi criar um espetáculo cênico que se utilizasse da construção e da linguagem corporal com dramaturgia física e cômica dos personagens e da história. A investigação buscou a elaboração de partituras de movimentos que levassem ao diálogo diretamente com o público.

O interessante é que este trabalho foi desenvolvido remotamente, com ensaios que duraram quatro meses e meio intermediados por telas de computadores. Carol e João se decidiram pelo palhaço como protagonista e convidaram Zimmermann para guiar esta aventura. “Criar e dirigir um trabalho de clown&dança era inédito para todos”, confessou o diretor. “Fomos descobrindo as cenas, guiados pelo espírito e lógica do clown e como era de se esperar, surgiram problemas, que foram solucionados a tempo. Dificuldades pelas quais poderiam passar um casamento de recém casados, mas o otimismo do palhaço nos ofereceu soluções para seguir adiante e não desistirmos da proposta”.

As risadas e aplausos do público confirmaram o sucesso do trabalho que, finalmente, pôde ser estreado presencialmente no ano passado no SESC de Palmas, com a presença do diretor, que celebrava sua primeira parceria internacional. O público não assistia uma estreia de espetáculo cênico da Lamira desde 2015. “A gente queria muito se apresentar para o público, depois de conceber o trabalho totalmente de forma remota. Também precisávamos do público, porque o palhaço precisa dele”, comenta Carolina Galgane.

A bailarina se refere à sua relação com João, seu companheiro na vida e nos palcos. A pandemia acabou interrompendo um fluxo de circulação em que se encontravam nos últimos anos e a necessidade de ficarem os dois em casa foi a oportunidade de criar um novo espetáculo e, nesse caso, celebrando os 16 anos enquanto casal. Para isso, escolheram o clown como linguagem, para que a narrativa pudesse ter comicidade. “Isso foi um desafio grande, porque poucos trabalhos relacionam dança e clown, o que nos demandou uma pesquisa profunda: como gerar riso a partir do movimento”, questiona Galgane. O diretor Oscar Zimmermann, reconhecido internacionalmente pelo seu trabalho com clown, também abraçou o desafio, uma vez que nunca havia trabalhado com bailarinos.

 

 

Sobre a Lamira

A Lamira Artes Cênicas é uma companhia tocantinense que tem 12 anos de existência e já participou de importantes festivais e circuitos Brasil afora. Além disso, ao longo dos anos vem fazendo pesquisas e intercâmbios entre grupos e construindo possibilidades para atender às diversas demandas do público.

Ficha Técnica:  Direção Clown: Oscar Zimmermann | Concepção: Carolina Galgane, João Vicente e Oscar Zimmermann | Coordenação geral: Carolina Galgane | Coreografia: João Vicente | Figurino e designer de aparência: Adriana Vaz, Rogério Romulado e Oscar Zimmermann | Cenografia: João Vicente e Vivian Oliveira | Video Mapping: Lu Izidoro | Artistas: Carolina Galgane e João Vicente.

Com Ana Paula Mota

Fotos Flaviana Ox

Avatar

Este post foi escrito por: Britz Lopes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta