sábado, 18 de maio de 2024

Como ler a primeira rodada da pesquisa Serpes?

Como avaliar a primeira rodada da pesquisa Serpes, encomendada pela Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Goiás (Acieg)? Mostra um Ronaldo Caiado com reais chances de vencer a disputa por sua reeleição ainda no primeiro turno, em outubro de 2022. Considerando apenas os votos dados aos candidatos, desprezando os nulos e indecisos, o democrata, que completa três anos à frente do Executivo goiano, teria 54,08% dos votos válidos, o que liquidaria a fatura no round inicial, como foi a vitória em 2018, quando sagrou-se vencedor com mais de 60% dos votos válidos.

Os iniciais 37,1% das intenções de voto indicam que a população de Goiás reconhece que o atual gestor merece e deve ser reconduzido à cadeira de governador para mais uma jornada. A pesquisa aponta, também, que mais de 38% do eleitorado goiano avaliam como ótima e boa a gestão.

No princípio, assim que assumiu o governo, Caiado enfrentou graves dificuldades em face do desajuste encontrado nas contas públicas do Estado. Com um passivo imediato de aproximadamente R$ 7 bilhões, incluindo restos a pagar de exercícios anteriores e folha de pagamento em aberto, Caiado tinha apenas R$ 11 milhões no caixa, um valor absolutamente irrisório frente à montanha de obrigações a serem liquidadas.

Zerando déficits

Já no primeiro ano, no entanto, conseguiu debelar a série histórica de déficits orçamentários e fechou 2019 com superávit orçamentário – receita maior do que despesa – na ordem de R$ 551 milhões. Naquele ano, Caiado pagou praticamente 14 folhas dos servidores, aumentou receitas e cumpriu os índices constitucionais da saúde e educação.

O remédio, porém, foi a necessidade de suspensão do pagamento dos serviços da dívida, cujo valor superava em quase dois pontos percentuais o teto determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Cerca de 12,5%, referentes à receita corrente líquida do Estado, estavam comprometidos com juros e amortização da dívida pública. Era coisa de R$ 3 bilhões anuais.

 

Guerra ao vírus

Em meio à pandemia, o governador assumiu a postura de gestor responsável, apoiou-se na ciência, e as medidas tomadas evitaram que a tragédia do coronavírus, grave em todo mundo, fosse ainda pior em Goiás.

 

Com o comando de Caiado, o Estado superou os piores momentos causados pela disseminação da Covid-19, readquiriu o equilíbrio fiscal e pôde, enfim, alcançar o cidadão em suas demandas por socorro e serviços públicos de qualidade.

A pesquisa Serpes mostra, portanto, que o governo Caiado chegou à população. Chegou na regionalização da saúde, na redução da criminalidade. Chegou com os investimentos na educação, no combate à corrupção, na recuperação das estradas.

E, principalmente, chegou com os programas de transferência de renda, que atenderam e continuam a atender as famílias mais vulneráveis, garantindo-lhes, sobretudo, dignidade.

Avatar

Este post foi escrito por: Sueli Arantes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta