quinta-feira, 18 de julho de 2024

Intervenções com inteligência e bom senso  

 

BBNews Entrevista  —  Aceitar o envelhecimento é tarefa para os fortes. Lidar com ele é para os muito inteligentes, de QI acima da média. Envelhecimento é democracia pura e quem não entende isso acaba se entregando à ditadura dos padrões de excessos impostos pelas redes sociais – sim, elas são culpadas.  Bocão, peitão, nariz palito, bumbum segura-bandeja não caem bem em qualquer estrutura corporal. Nesta detalhada e bem-embasada entrevista, a dermatologista Camila Crosara fala da linha tênue que separa a dose exata do “só mais um pouquinho.”  É claro que temos sim, de tentar melhorar a nossa aparência com os produtos e tecnologias disponíveis, mas é preciso ficar atento às indicações corretas de um bom profissional – e ao velho e bom senso.

Dra. Camila Crosara é médica dermatologista da novíssima geração. Graduada em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, é especialista em Clínica Médica pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e dermatologista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB). Atua na área de dermatologia clínica, cirúrgica e estética.

 

BBNews Entrevista – Quais intervenções são mais procuradas por homens e mulheres em diferentes faixas etárias?

Camila Crosara – Aos 30 anos, os homens vão em busca de um rosto mais masculino, com queixos marcados e mandíbula também. Já as mulheres desejam lábios mais proeminentes, sobrancelha arqueada, bochechas levemente ressaltadas e a pele sem manchas. A busca pelo tratamento para manchas e poros dilatados aumentou significativamente depois das redes sociais. 40 anos: nessa fase, os homens buscam um tratamento para o rosto como um todo, com toxina botulínica, ácido hialurônico e bioestimuladores de colágeno.  A maioria se queixa do chamado “bigode chinês” e das olheiras. Mas, a busca pelo queixo proeminente e a mandíbula marcada ainda permanece. As mulheres aos 40 anos querem evitar a cirurgia e quase todas optam um tratamento global que vai desde os preenchedores até os lasers para rejuvenescimento. 60 anos: grande parte já realizou ou está prestes a realizar procedimentos cirúrgicos e querem associar os tratamentos não cirúrgicos para o manejo do envelhecimento. Nessa fase, homens e mulheres procuram a cirurgia de blefaroplastia para retirar o excesso de pele das pálpebras, a lipoaspiração de “papada” (região entre o queixo e o pescoço) e até mesmo alguma técnica de lifting facial (para “levantar” o rosto como um todo ou alguma região específica). Mulheres nessa faixa etária querem investir num melhor contorno do rosto e comumente tratam o pescoço e o colo.

 

BBNews Entrevista – E como evitar as transformações indesejadas?

Camila Crosara – As transformações que mais pesam estão ligadas ao uso de quantidades excessivas de preenchedores. 30 anos: os resultados inestéticos para os homens dessa faixa etária ocorrem por excesso de produto no queixo e no ângulo da mandíbula. Linhas retas trazem a percepção de masculinidade, mas isso pode não pode ser senso comum. O exagero é tanto que a linha reta acaba virando uma linha inclinada (com a mandíbula “para fora”).  As mulheres dessa faixa etária desejam lábios proeminentes e linhas mais retas para se criar um rosto marcante, mas isso acaba gerando um rosto quadrado com lábios exagerados e que muitas vezes vem junto com a pigmentação das sobrancelhas em tons muito escuros e cílios de volume desproporcional. O resultado disso é um rosto inestético e despersonalizado.

40 anos: o excesso de preenchimento labial e as bochechas muito ressaltadas são os maiores culpados de um resultado inestético nessa faixa etária. E quando associado à rinoplastia, o resultado pode ser catastrófico. Precisa ter estrutura facial e outras características para sustentar bochechas ressaltadas, lábios proeminentes e nariz finíssimo.

60 anos: precisamos lembrar que aos 60 anos a perda de estrutura óssea, de compartimentos de gordura, de água e de músculo já é significativa. Então, nessa faixa etária, qualquer coisa que se faça em excesso pode pesar. O que mais se vê é o excesso de toxina botulínica na área dos olhos, abaixando as bochechas numa espécie de degrau, de prateleira, associado ao excesso de preenchimento nas bochechas e nos lábios. Outro resultado inestético ainda visto com frequência é a associação do chamado “fox eyes” (com olhos puxados e a cauda sobrancelha elevada), com lábios exagerados e nariz finíssimo.

 

BBNews Entrevista – Em todos esses estágios há algo que  pode se fazer antes de recorrer ao bisturi?

Camila Crosara – Sim, em todos os estágios. Uma parte significativa do manejo do envelhecimento é realizada com procedimentos não cirúrgicos. As rugas, por exemplo, são tratadas com a toxina botulínica. Quando queremos repor colágeno e estimular sua produção, utilizamos produtos injetáveis e algumas tecnologias, como o ultrassom microfocado. Quando queremos volumizar alguma região ou reestruturá-la, utilizamos o preenchimento com ácido hialurônico.  A flacidez na região dos olhos, a depender da intensidade, também pode ser tratada com procedimentos não cirúrgicos inicialmente. E os tratamentos para manchas, poros e cicatrizes são não cirúrgicos e estão indicados em todos os estágios.

 

BBNews Entrevista – O que mais contribui para que a pessoa envelheça mal, esteticamente falando?

Camila Crosara – A dificuldade em aceitar o envelhecimento e a busca incessante pelo rosto da juventude é o que mais interfere no processo de envelhecimento . Muitas pessoas sofrem de algum tipo de transtorno dismórfico corporal, onde enxergam defeitos numa magnitude desproporcional com a realidade e estão sempre insatisfeitas e sempre em busca de repetidos tratamentos. Elas mudam de profissional constantemente e os sucessivos procedimentos vão se tornando cada vez mais inestéticos.

 

BBNews Entrevista – Exagero de preenchimento em boca tem conserto?

Camila Crosara – Para os preenchimentos realizados com ácido hialurônico tem sim e se chama hialuronidase. Ela é uma enzima que “dilui” o ácido hialurônico ao entrar em contato com o mesmo. A hialuronidase é injetada com agulha ou cânula, de forma semelhante a do preenchimento realizado e a dose utilizada é calculada com base no volume de ácido hialurônico injetado previamente ou até que o resultado estético esteja mais adequado. Podemos associar também corticóides e outras tecnologias, mas sempre utilizando hialuronidase. Caso a pessoa tenha realizado o preenchimento com outro tipo de produto, a solução dependerá do material utilizado, mas na maioria das vezes é indicada a retirada cirúrgica, com resultados nem sempre satisfatórios, diga-se.

 

BBNews Entrevista – Aliás, quais são os procedimentos reversíveis?

Camila Crosara – São todos aqueles que são absorvíveis pelo organismo ou fáceis de serem retirados com pequenos procedimentos e é com base na composição do produto que planejamos a reversão. Em relação aos mais utilizados hoje em dia, toxina botulínica, ácido hialurônico (que é a composição da maioria dos preenchedores) e os fios de polidioxanona (PDO) são facilmente reversíveis. Bioestimuladores de colágeno também são reversíveis, porém demandam maior tempo ou sucessivas tentativas de diluição. Em se tratando de resultados inestéticos e insatisfatórios, no caso da toxina botulínica, utilizamos alguns produtos e tecnologias como, por exemplo, injeção de uma substância chamada DMAE, associada com anti-inflamatórios e radiofrequência. Ou então, aguardamos o término do período de ação do produto (que ocorre em cerca de 3 a 4 meses). Em relação ao ácido hialurônico, utilizamos principalmente a hialuronidase ou aguardamos até que o corpo reabsorva o produto. Fios de PDO podem ser retirados utilizando agulhas. Já os bioestimuladores de colágeno precisam de diluição com soro fisiológico e/ou hialuronidase. Ultrassom microfocado também ajuda a acelerar a degradação de muitos produtos.

 

BBNews Entrevista – O que falta ser inventado na área da medicina estética?

Camila Crosara – A área dos olhos é a região mais difícil de ser tratada de forma não cirúrgica e muitos pacientes encontram-se numa fase intermediária, onde ainda não possuem indicação de cirurgia imediata e que conseguem resultados muito temporários com os procedimentos não cirúrgicos. Preenchedores que tenham uma consistência mais fluida, mas que sejam mais duradouros e bioestimuladores de colágeno específicos para essa área precisam estar no mercado urgentemente.

 

BBNews Entrevista – Três lições para manter-se em estado de bem-estar e em paz com o espelho.

Camila Crosara – Primeiro nós precisamos aceitar que o envelhecimento é um processo natural do ser humano e que é belo envelhecer. Esse conceito precisa ser normalizado porque não tem como viver e não envelhecer. Além disso, precisamos buscar o amor próprio. Precisamos nos amar mais. O ser humano precisa olhar no espelho e ter orgulho do que vê. A pele fala e cada ruga conta uma história. Orgulhe-se da sua história. Podemos (e devemos) nos cuidar, até mesmo esteticamente porque cuidar de si é uma forma de amor, mas precisamos entender que um rosto de 60 anos nunca mais será igual a um rosto de 40. Precisamos ressaltar a beleza daquele rosto e não buscar uma nova aparência completamente sem personalidade. E por último, precisamos cultivar hábitos saudáveis, ter uma alimentação adequada, praticar atividade física, ter um sono reparador e cuidar do nosso bem-estar emocional porque a pele reflete todo o nosso interior. A pele é o espelho da alma.

 

BBNews Entrevista – Uma iniciativa (em se tratando de comportamento em busca da beleza a qualquer custo) que deve ser evitada, sempre …

Camila Crosara – Buscar qualquer profissional com pouca qualificação, apenas para suprir as insatisfações é um caminho perigoso. Assim como se submeter a procedimentos estéticos com produtos proibidos ou até mesmo realizar procedimentos sem indicação é um risco à saúde que pode ser irreversível. Não se submeta a nada sem ter necessidade e procure sempre um bom profissional, que saiba te aconselhar acima de tudo. E confie quando ele não indicar aquele caminho. Para tudo há indicação.

 

Avatar

Este post foi escrito por: Britz Lopes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta