sábado, 18 de maio de 2024

O que dizer de Gante?

 

Absolutamente fabulosa! Estas seriam as palavras mais adequadas para reverenciar esta cidade da Bélgica com quase 1,4 mil anos de história monumental. Durante muitos séculos, Gante ostentou a condição de segunda maior cidade da Europa, só superada por Paris. Por aqui, o máximo da arquitetura medieval encontrou a perfeição. Para quem ainda imagina a Idade Média como a era das trevas na Europa, precisa conhecer esta preciosidade da capital de Flandres Oriental para mudar de conceito.

 

 

Gante ganhou todo um ambiente encantado a partir do século XI, quando deu início, em território europeu, à fabricação de tecidos. A iniciativa foi tão próspera que seria o começo, tempo depois, da Revolução Industrial e consequentemente do capitalismo com tudo que o modo de produção tem de positivo e negativo.

Gante é uma palavra de origem celta que significa confluência. Foi utilizada para nominar a cidade justamente pelo encontro dos Rios Lys e Scheldt, cujas águas conferem uma atmosfera diferenciada ao espaço urbano no qual se assentam um dos maiores números de monumentos por metro quadrado de toda Europa.

 

 

De beleza indizível, a cidade não tem o tumulto de turistas da vizinha Bruges e pode ter suas preciosidades arquitetônicas absorvidas com muita tranquilidade. Conta com excelentes serviços de transporte público e os locais normalmente se locomovem de bicicleta em redes de ciclovias bastante funcionais. Há zero de lixo na rua e a organização do ambiente urbano tem no respeito ao indivíduo princípio incondicional.

 

Mesmo com vida noturna excitante em bares, que fecham altas horas da madrugada, não existe lugar para bagunça. Além do mais, impera a gentileza orgânica dos habitantes da cidade. Se você gosta de cerveja, terá sério problema na hora de escolher uma entre os mais 500 tipos que a Bélgica produz. Caso seja viciado em chocolate, o país é o mais qualificado da Europa.

 

 

Não deixe de experimentar as diversas opções da gastronomia étnica de Gante. Restaurantes sírios, persas e até do Himalaia estão de portas abertas nesta cidade que celebra a boa mesa com simplicidade e bom gosto. Uma dica de um bar para ficar na saudade é o Café Den Turk, fundado em 1228, hoje gerenciado pela elegante e simpática ítalo-brasileira Marcela Cogo.

 

 

Marcio Fernandes é jornalista

Fotos: Marcio Fernandes

Avatar

Este post foi escrito por: Marcio Fernandes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

3 comentários em "O que dizer de Gante?"

Deixe uma resposta