sábado, 18 de maio de 2024

Sem nada planejado, Amsterdam me deu sopa, pouso, vinho e abraço

 

Marcio Fernandes – Pra variar, me envolvi em roubada em Varsóvia! Tive de tomar rumo de Amsterdam para conseguir conexão de voo para Madrid. Seriam oito horas deitado no confortável e amoroso chão do Aeroporto de Schiphol! Como tenho casal de amigos muito fraternos na cidade, acabei ligando para o Wim e disse que iria visitá-lo para tomar um vinho e colocar conversa em dia!

 

Estava preocupado, pois já era dez da noite e não queria alugar o amigo com visita inconveniente. A recepção foi, como sempre, calorosa e muito divertida. Peguei o ônibus em direção a Jordaan, o bairro mais descolado de Amsterdam, e logo estava com taça de vinho da Rioja à mão e instalado em Lijnbaansgracht, o canal mais interessante de Amsterdam, pois além de ser lindo por ali não há turistas!

 

Como é verão na Europa e fazia na Holanda um calor não previsto, é normal os moradores dos canais levarem cadeiras e mesa para porta de casa para apreciar o sol da noite, dividir bebidas e petiscos. Vizinhos e pessoas desconhecidas sempre fazem uma parada para elogiar o arranjo de flores na porta ou partilhar com palavras amáveis a boa vida da cidade mais linda do planeta.

 

 

Além da arquitetura única, Amsterdam se diferencia até do lugar mais avançado da Europa por ter um povo de simplicidade espontânea, mentalidade despida de falso moralismo e braços abertos. Diferente da Itália, por exemplo, exceto se você tiver audiência com o Rei William, terno e gravata não serão requisitados. Carrões de desenho avançado e motor potente são algo inútil na cidade onde as loiras mais espigadas da Europa andam de bicicleta, meio de transporte mais importante da cidade, não importa se você é um operário ou executivo de multinacional.

 

Acho que em nenhum lugar do mundo a palavra tolerância tem no dia-a-dia a mais completa tradução. Inclusive, para se obter cidadania holandesa há um critério de avaliação da personalidade do indivíduo. Caso seja contrário aos princípios de liberdade individual do país é melhor tentar alguma coisa no Afeganistão!

 

 

Aliás, se você é daqueles que promovem a seleção natural da espécie pelo estereótipo talvez vá se sentir deslocado em Amsterdam. Aqui a liberdade de ser o que quiser e fazer o que se pode é levada muito a sério. Coisas como preconceito de raça, religião, sexo etc devem ser deixadas no armário das mesquinharias em casa antes de vir para Amsterdam.

 

Eu já estive viárias vezes na cidade e aqui foi celebrada minha primeira festa de aniversário ao lado de Wim, Márcio, Célia, Michael, Jomar, Maria e tantas outras pessoas que gosto muito há bem mais de duas décadas. Me lembro da primeira vez em que eu e Britz chegamos a Amsterdam vindos da Irlanda! Depois como foi sensacional aquele Ano Novo no Jordaan coberto de neve!

 

 

Desta vez não teve caminhadas para fotografar os canais nem navegação pelo Rio Amstel, sob comando do Capitão Michael, a explorar uma Amsterdam particular de quem nasceu na cidade. Por outro lado, Wim me deu sopa, vinho, pouso de duas horas e muito afeto em longa conversa sobre tudo! Um abraço grande para ti!

 

Cheguei em Madrid muerto depois de apagar no voo de três horas. Me reestabeleci no albergue de cápsula das galáxias, tomei banho expressivo e fui para no Mercado de San Antón tomar uma caña e provar de tudo. Croqueta de rabo de toro, chorizo no pão, tapas de anchovas e um corte de bife de tira! Sempre venho bater o ponto aqui! A turistada ainda não sabe deste mercado e espero que continue indo tropeçar uns aos outros no Mercado de San Miguel!

 

 

Vou embora daqui a pouco sem entender muito o tanto de coisa que aconteceu nesta longa viagem. Foram muitos lugares e pessoas bacanas no longo curso desde o Brasil até a Ásia Central. Choro de saudade, mas não de arrependimento! As roubadas da viagem foram patrocinadas por mim mesmo! Tem de culpar ninguém, nem a mim mesmo! Não tenho tempo a perder!

 

 

Sururu, pode ir preparando aquele arroz branco, estou voltando!

 

Marcelão, como estou voltando, precisamos sentar, comer aquela rabada e discutir o livro!

 

Nélia, estou voltando, temos de oficializar aquele convite ao Dr. Irapuan e trabalhar o material!

 

Meninas maravilhosas do carteado, estou voltando e espero que a festa esteja mantida!

 

Márcio querido, estou voltando e vamos nos ver logo!

 

Gustavo, churrasco confirmado, estou voltando!

 

Tio Aloysio, meu irmão, estou voltando!

 

Heloísa, estou voltando para te ver antes da tua volta para Boston!

 

Pai e Andrea, estou voltando e as coisas vão voltar a ser como eram antes!

 

Doutor, Generalíssimo e grande amigo Demóstenes! Desde que não seja para pescar, o que você me convidar eu topo! Estou voltando!

 

A música do dia foi guardada a viagem toda para o último dia! Era Primavera que o Gustavo Veiga me mandou há exatamente um ano quando estava perdido na Ilha da Madeira e morri de saudade do chão goiano!

 

Texto e fotos: Marcio Fernandes

 

Avatar

Este post foi escrito por: Marcio Fernandes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

6 comentários em "Sem nada planejado, Amsterdam me deu sopa, pouso, vinho e abraço"

Deixe uma resposta