sexta-feira, 12 de abril de 2024

Você tem pressa de quê?

 

O tempo insuficiente para atender demandas, a urgência atravessando a rotina, os prazos para ontem e a impressão de que estão todos correndo inspiram “Pressa”. O espetáculo do grupo Bacae Dança, do Instituto Bacae, será apresentado nos dias 7 e 8 de março no Centro Cultural UFG, às 20 horas. Para assistir ao espetáculo, as pessoas interessadas devem emitir gratuitamente os ingressos via Sympla e levar um quilo de alimento não perecível para doação.

 

O espetáculo ainda será apresentado nos dias 20 e 21 de março às 20 horas pelo canal do Instituto no YouTube, com audiodescrição para cegos. As apresentações fazem parte do projeto Bacae Dança (Sobre)Vive, realizado com  recursos do Fundo de Arte e Cultura de Goiás do Governo de Goiás, Edital Nº 07/2023, por meio da Secretaria de Estado da Cultura.

 

“Pressa” é um espetáculo de dança contemporânea que busca refletir sobre a banalização da urgência e os consequentes impactos na sociedade. “A nossa proposta com esse trabalho também é de inspirar alternativas para saída do ciclo vicioso da pressa e apontar benefícios da desaceleração das rotinas, a partir das potenciais possibilidades de pequenas ações diárias e intimistas”, comenta Ingrid Costa, diretora artística e coreógrafa. Este trabalho teve a sua estreia em 2022 e foi apresentado a toda a comunidade com entrada gratuita e para estudantes de escolas públicas.

 

Ingrid Costa, que concebeu o espetáculo, compartilha que as coreografias são uma interpretação da vida corrida que levamos ultimamente. “A pressa, a pressão de clientes e das redes sociais, prazos de entrega ‘para ontem’. Com isso, há uma banalização da urgência. Nas entrelinhas, fazemos o questionamento: realmente precisamos fazer (e ter) tudo tão rápido? Quanto custa viver atendendo às solicitações tão imediatas? Muitas vezes, o preço é a própria vida”, comenta.

 

Foto: Lu Barcelos

Com: Ana Paula Mota e Nádia Junqueira Ribeiro

 

Avatar

Este post foi escrito por: Britz Lopes

As opiniões emitidas nos textos dos colaboradores não refletem necessariamente, a opinião da revista eletrônica.

Deixe uma resposta